NoPorn relança álbum de estreia e faz show no Sesc Belenzinho

O primeiro disco do NoPorn foi lançado em 2006. Com o título de Noporn (assim mesmo, tudo minúsculo), o álbum marcou a geração que frequentava a noite paulistana no início dos anos 2000. Naquela época, a artista plástica Liana Padilha e o DJ Luca Lauri se apresentavam no Clube Xingu, projeto de arte e diversão de Zeca Gerace e Victor Correa, e depois passaram a tocar também no Clube Vegas. “Nós sempre fazíamos “jams” caseiras em que eu lia/cantava meus textos e de amigos, sobre bases que o Luca criava. Em 2000, nosso parceiro musical morreu e resolvemos tocar como dupla de DJs em festas e clubes, onde testávamos na pista o que fazíamos nas jams, que pelos textos, chamamos de Noporn. Desse trabalho e dessa vivência na noite, nasceu esse disco”, conta Liana.

Em ambas as casas, o NoPorn fez diversos shows catárticos que ainda gritam na memória de muita gente. Por isso, a expectativa para o relançamento do álbum que marcou a estreia da dupla é grande. Afinal, os que ainda tem o CD físico da época o guarda como registro histórico e o público de hoje, que não encontra o disco em lugar nenhum, poderá, finalmente, encontrá-lo disponível nas plataformas de streaming.

Clássicos como ‘Baile de Peruas’ e ‘Sônia’ embalam as pistas de casas noturnas por todo o Brasil até hoje, enquanto ‘Xingu’ está na trilha do filme Beira-Mar, de 2015. E com a volta do duo ano passado, quando lançaram o segundo álbum, BOCA, percebeu-se um resgate dos antigos hits, o que impulsionou o relançamento, como conta Liana: “Quando lançamos o segundo álbum, “BOCA” digitalmente no ano passado, uma geração muito nova, que não nos viu tocar em clubes e que era criança quando lançamos o primeiro, começou a pedir que colocássemos ele também nas plataformas. Chamamos o Dudu Marote, que foi o produtor do disco para colocarmos nosso 1 no ar.”

Show – Sesc Belenzinho

E para comemorar, Luca e Liana vão apresentar faixas do primeiro e segundo disco na sexta (30), no Sesc Belenzinho. A noite ainda conta com a participação especial do maranhense, radicado no Rio de Janeiro (RJ), Negro Leo.

O cantor, compositor e instrumentista, que lançou ano passado seu mais recente disco, Água Batizada, é influenciado pelo free jazz de Peter Brötzmann, pelo tropicalismo de Caetano e Macalé, e pela nowave de James Chance e Arto Lindsay. Negro Leo vem se destacando na cena carioca, onde conheceu Liana. “Gosto e acompanho o trabalho do Léo desde que vim morar no Rio. É um trabalho forte, político e cheio de camadas que quando você ouve, abre pra outras camadas de som, vocais e ruídos. Eu tenho bastante interesse nessas pesquisas sonoras”, afirma a artista.

Além de Negro Leo, a apresentação também terá as participações do pianista Arthur Braganti, que toca teclado/piano/sintetizador nas bandas Letuce, Séculos Apaixonados e Tinta Preta, e do músico Lucas de Paiva, do projeto Opala, calcado em fortes influências oitentistas. Enquanto Arthur tocará teclados no show, Lucas será responsável pelo sax.

Veja também! Filmes de terror na Netflix

Sobre Leonardo Caprara

Idealizador e fundador do site, tem profunda paixão pela música e pelo cinema, desbravando os mais diferentes sub-gêneros dentro destes dois maravilhosos nichos e procurando levar o melhor conteúdo para os fiéis leitores do Música e Cinema!

Veja Também!

O interessante Atlas e o seu pêndulo na verdade sobre o não dito

Você sabe quem é Atlas Bartholomeu? Se ainda não conhece essa figura, com certeza se interessará …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *