Motörhead: sempre o mesmo, mas ainda melhor!

O Motörhead é uma das mais importantes formações do rock/metal da história. Formada em Londres (Inglaterra) por Ian Fraser Kilmister, ou Lemmy para os íntimos, em 1975, possui uma discografia que é um verdadeiro compendio de clássicos da música pesada. São álbuns que servem de referência para toda uma geração de músicos e bandas de todas as vertentes do Metal.

            Prestes a completar 40 anos de bons serviços prestados à comunidade headbanger, em 2013 lançaram seu vigésimo primeiro álbum de estúdio, o divino Aftershock. Praticando a mesma sonoridade de sempre e o fazendo como ninguém, o trabalho mostra que o Sr. Lemmy, apesar dos quase 70 anos nas costas e alguns problemas de saúde inerentes à terceira idade, ainda tem muita lenha pra queimar (pelo menos é o que nós esperamos).

Motörhead (da esq. pra dir.): Phil Campbell (guitarra), Lemmy Kilmister (vocal e baixo) e Mikey Dee (bateria)
Motörhead (da esq. pra dir.): Phil Campbell (guitarra), Lemmy Kilmister (vocal e baixo) e Mikey Dee (bateria)

            Confira agora, com exclusividade no seu site favorito, a resenha desta mais nova obra dos bastardos ingleses. Tome uma talagada de Bourbon, sente em sua poltrona favorita, aumente o som e divirta-se.

 Motörhead – Aftershock (resenha)

            Uma banda que pratica o mesmo som há quase 40 anos e ainda assim surpreende positivamente o ouvinte. Poucas formações na história da música pesada conseguiram essa façanha, mas o Motörhead está aí na luta pra mostrar que isso é possível. O trio formado pelo tio Lemmy Kilmister (vocal e baixo), Phil Campbell (guitarra) e Mikey Dee (bateria) apresenta em seu mais novo álbum, intitulado Aftershock, novamente aquele rock’n’roll sujo, encardido e pesado, sempre comandado por aquela voz inconfundível curtida no whisky e defumada no cigarro sem filtro de Lemmy. Apesar do peso da idade nas costas, esse senhor britânico, juntamente com seus comparsas de longa data, apresentam um trabalho muito bem produzido, porém sem ofuscar as suas características mais marcantes. Aquele baixo distorcido ao extremo ainda permanece intacto, conferindo um peso absurdo ao material. Phil Campbell é um guitarrista soberbo, dotado de técnica e precisão, porém sem muitas firulas, que parece estar cada vez melhor com o passar dos anos. E quanto a Mikey Dee? Pelo amor de Deus! O que o cara toca não é brincadeira. A junção perfeita de técnica absurda com pegada vigorosa! O melhor baterista que a banda já teve disparado!

Capa do novo álbum
Capa do novo álbum

            O disco todo mantém o padrão elevado, mas é em faixas como Heartbreaker, Coup de Grace, Death Machine, Keep Your Powder Dry, Going to México (com um início idêntico ao clássico Ace of Spades) e a blues Lost Woman Blues que temos os maiores destaques.

            Este é mais um trabalho que só vem a corroborar com a opinião de todo headbanger que se preze. O Motörhead tem de sobra o que 80% das bandas atuais está longe de conseguir: credibilidade e identidade; por conta disso, é uma banda que está e deve permanecer no topo por muito tempo ainda. Nada mais justo!

 Nota: 9,0

 Formação:

  • Lemmy Kilmister (baixo e vocal)
  • Phil Campbell (guitarra)
  • Mikey Dee (bateria)

 Faixas:

1. Heartbreaker  (3:04)

2. Coup De Grace  (3:45)

3. Lost Woman Blues  (4:09)

4. End Of Time  (3:17)

5. Do You Believe  (2:58)

6. Death Machine  (2:37)

7. Dust And Glass  (2:50)

8. Going To Mexico  (2:51)

9. Silence When You Speak To Me  (4:30)

10. Crying Shame  (4:28)

11. Queen Of The Damned  (2:50)

12. Knife  (2:57)

13. Keep Your Powder Dry  (3:54)

14. Paralyzed  (2:50)

Contatos:

http://imotorhead.com/

 https://www.facebook.com/OfficialMotorhead?fref=ts

 

[youtuber youtube=’http://www.youtube.com/watch?v=ypAC2bxarmQ’]

Sobre Ricardo Costa

Casado, 42 anos, médico veterinário. É fã de música desde a adolescência, principalmente dos subgêneros mais extremos do Metal. É fã também incondicional de cinema, principalmente de horror e ação. Seu principal hobby é pesquisar e conhecer bandas novas e filmes obscuros. Trará sempre novidades acerca de lançamentos, bem como artigos, matérias e entrevistas muito interessantes para os nossos leitores

Veja Também!

metallica

Metallica: revigorado e ainda relevante

Existem bandas que, ao anunciarem seus próximos lançamentos, promovem um verdadeiro fenômeno de histeria coletiva, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *