Joey Ramone: o porta voz de uma geração

Acredito que 100% da população mundial tenha, ao menos uma vez na vida, ouvido falar em Ramones. A banda mais seminal da história do rock, tornando-se a responsável por popularizar o punk rock em estética e sonoridade simples e empolgante, e que hoje em dia virou ícone fashion e da cultura pop, teve em Joey Ramone o porta voz de toda uma geração.

Joey_Ramone

            Há exatamente 14 anos atrás, nosso querido Joey perdeu a luta contra o câncer numa longa batalha que se estendeu por aproximadamente quatro anos. Um verdadeiro ícone amado e respeitado por todos, e que sucumbiu perante uma doença que parece ter predileção por gente talentosa. Sendo assim, nós do Música e Cinema resolvemos prestar uma breve e singela homenagem a essa importante personalidade do mundo do rock.

Joey nasceu Jeffrey Ross Hyman, na cidade de Nova York, no dia 19 de maio de 1951. Filho de pais judeus, teve uma infância conturbada, pois seus pais se separaram no início da década de 60. Além disso, era uma criança muito tímida, desajeitada, e diagnosticado com T.O.C. (Transtorno Obsessivo Compulsivo), o que certamente não o qualificava como o mais descolado da escola. Na juventude, começou a se interessar por música, colecionando discos e tendo seu primeiro contato com a bateria. Isso serviu basicamente como uma terapia, pois Joey encontrou na música uma forma de se expressar, burlando assim a timidez que atrapalhava as suas relações humanas. Começou a tocar bateria, resolvendo assim se juntar a dois colegas de escola para a formação de uma banda: John Cummings (Johnny Ramone/guitarra) e Douglas Colvin (Dee Dee Ramone/baixo). A princípio, Joey tocava bateria e cantava, porém não tinha a mínima habilidade em exercer as duas funções simultaneamente. Assim sendo, optaram por manter Joey somente nos vocais, e resolveram procurar por um baterista, recrutando Thomas Erdelyi (Tommy Ramone) para o cargo. Estava formada a banda que revolucionaria a música para todo o sempre.

ramone-joey-50acddf8e739c

Joey era uma figura enigmática e exótica. Era extremamente alto (1,98 m), magro, desengonçado e desprovido de qualquer beleza física (o cara era feio demais mesmo), mas sua postura de palco única, com as pernas abertas e se apoiando ao pedestal do microfone; seu timbre vocal inconfundível e talento para criar canções simples e cativantes, sobrepujavam essas características negativas, digamos assim. Não tinha virtuosismo algum na voz, porém conseguia transmitir emoção, raiva e indignação como ninguém em suas músicas. Esteve presente na banda em toda sua trajetória, do início ao fim, ajudando a criar verdadeiros hinos de toda uma juventude, que encontrou no som do Ramones a libertação e a diversão. São considerados os fundadores do punk rock, embora haja controvérsias, pois muitos atribuem ao Sex Pistols da Inglaterra o cargo de precursor do estilo, mas isso pouco importa, pois ambos têm seus créditos nesse fato. Músicas como Blitzkrieg Bop, Sheena is a Punk Rocker, I Wanna Bee Sedated, The KKK Took My Baby Away, Bonzo Goes to Bitsburg, Pet Sematery (quem não conhece essa?), I Believe in Miracles, Animal Boy, Pinhead, Commando e tantas outras falam por si só, e não teriam o mesmo impacto se não fossem cantadas por Joey.

Após lançarem Adios Amigos, seu último trabalho de estúdio, devido a problemas de relacionamento entre os integrantes (é de conhecimento de todos que Johnny e Joey não se bicavam de jeito nenhum) e o desgaste físico, a banda encerrou as atividades. Joey já começava a apresentar sinais da doença, mas ainda assim conseguiu gravar dois álbuns solo, que foram lançados após sua morte: Don’t Worry About Me (2002) e Ya Know (2012).

The Ramones
Primeira formação do Ramones

O que mais posso dizer sobre Joey e a banda? Nada. O que me resta é ouvir toda a sua obra do princípio ao fim e me impressionar cada vez mais em cada audição. Uma banda que sempre teve orgulho de produzir exatamente a mesma música por anos a fio e nunca soar repetitivo, e ainda assim servir de inspiração pra praticamente 100% de tudo que ouvimos por aí em termos de música pesada. Todos reverenciam e idolatram os Ramones, eternizando a banda e todo seu legado para as futuras gerações. Descanse em paz, grande Joey.

Sobre Ricardo Costa

Casado, 42 anos, médico veterinário. É fã de música desde a adolescência, principalmente dos subgêneros mais extremos do Metal. É fã também incondicional de cinema, principalmente de horror e ação. Seu principal hobby é pesquisar e conhecer bandas novas e filmes obscuros. Trará sempre novidades acerca de lançamentos, bem como artigos, matérias e entrevistas muito interessantes para os nossos leitores

Veja Também!

Capa de Involution

Primator comenta sobre lançamento de “Involution” e inspiração conceitual

A banda Primator é uma das surpresas de 2015, tendo iniciado uma bela tragetória de …

2 Comentários

  1. Homenagem muito legal, Curto muito a simplicidade da banda, tanto curto que Poison Heart, Pet Sematery e Sheena is a Punk Rocker nunca faltam em uma playlist minha.

  2. Valeu, Ricardinho. Realmente o Ramones foi um divisor de águas na música pesada. Essa simplicidade e despojamento deles é o que mais agrada. Poucas bandas conseguem soar tão cativantes quanto o Ramones.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *