Crítica | Blade Runner 2049 – É bom? Devo assistir?

Assumir uma continuação de Blade Runner é um projeto ousado para qualquer diretor. O filme dos anos 80 reescreveu todos os conceitos de ficção científica e até hoje é referência no gênero. Para essa missão, Denis Villeneuve mostrou-se o profissional perfeito.

O diretor desde 2010 praticamente não tem erros. Ficou um pouco abaixo com O Homem Duplicado (2013), porém entregou ótimos filmes com Os Suspeitos (2013) e A Chegada (2016). Para este novo projeto, concentrou suas melhores características na continuação de um universo que já havia sido desenhado por Ridley Scott.

O equilíbrio é a principal marca de Blade Runner 2049. Ele é equilibrado no sentido de interpretar tudo que já havia acontecido neste universo e apresentar algo que funciona sozinho, que caminha com as próprias pernas.

Direção: Denis Villeneuve
Elenco: Ryan Gosling, Harrison Ford, Jared Leto, Ana de Armas, Sylvia Hoeks, Robin Wright.
Gênero: Ficção Científica
Duração: 2h44
Nacionalidade: EUA

Em 2049, os replicantes vivem uma nova era. Com os problemas enfrentados na geração dos Nexus 8, uma nova espécie é desenvolvida e programada para obediência total. Entre eles, K (Ryan Gosling) é um dedicado blade runner que trabalha para a polícia de Los Angeles. Quando descobre o caso de uma replicante que teve um filho, ele entra em uma jornada de dúvidas existenciais e conflitantes com o seu próprio trabalho.

O filme não tem pressa em ser desenvolvido. O roteiro de Hampton Fancher e Michael Green dá a cadência perfeita para que o diretor possa trabalhar cada elemento com calma. Longas cenas, recheadas de silêncios ensurdecedores, levam o espectador a uma verdadeira experiência existencial dentro do universo de Blade Runner.

E a expectativa pela participação de Harrison Ford é muito bem trabalhada. Encontrar o agente Deckard, desaparecido desde o primeiro filme, é um dos objetivos de K. Nesta busca, ele enfrenta muitas outras questões. A inserção de Harrison Ford na trama é mais um ponto de equilíbrio e que estabelece a total conexão entre os dois filmes.

Tudo é construído de forma elegante. Visualmente, o filme é impecável. Blade Runner 2049 não tem medo de caminhar sozinho, porém não precisa fazer isso a todo momento.

O elenco é extremamente coeso e as atuações muito bem trabalhadas. A direção de Villeneuve mostra os motivos para ser um dos principais diretores da década. Mesmo com críticas intrínsecas sobre liberdade e questões sociais, o filme não força nenhuma panfletagem ideológica. Tudo está exatamente onde deveria. Não perca a oportunidade, veja Blade Runner 2049 no cinema!

Sobre Leonardo Caprara

Idealizador e fundador do site, tem profunda paixão pela música e pelo cinema, desbravando os mais diferentes sub-gêneros dentro destes dois maravilhosos nichos e procurando levar o melhor conteúdo para os fiéis leitores do Música e Cinema!

Veja Também!

Crítica | Mãe! – É bom? Devo assistir?

Talvez “Mãe!” seja o filme mais controverso de 2017. Tanto os críticos quanto o público, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *