A Chegada: filme sobre aliens deixa lições para os humanos

Escalado como diretor do novo Blade Runner, Denis Villeneuve se consagra ao entregar filme inquietante e profundo.

É curioso que um dos sons mais agoniantes seja o do silêncio. Simon & Garfunkel já cantavam sobre isso na música “The Sound Of Silence”, em 1964. Facilmente essa canção poderia elencar algumas das questões tratadas no novo filme do já afirmado diretor Denis Villeneuve.

A Chegada transporta o público para questões profundas sobre como a humanidade pode ficar muda ao diferente, sobre como o desconhecido pode chocar e assustar. Os alienígenas poderiam ser substituídos, o contexto poderia ser diferente, mas a condução, ela sim, provavelmente, não mudaria.

a-chegadaAbalada com a morte da filha, a Dra. Louise Banks (Amy Adams), especialista em linguística, é convocada pelo exército norte-americano para ajudar na interpretação de uma língua desconhecida: a dos alienígenas que pousaram na terra.

Por todo o globo, de maneira aleatória, 12 naves se aproximaram. Em momentos pontuais, os visitantes permitem a entrada dos humanos e tentam desenvolver alguma forma de comunicação. Contanto com a ajuda do cientista Ian Donnelly (Jeremy Renner) e tentando contornar as preocupações bélicas do exército, representado pelo Coronel Weber (Forest Whitaker) e agente Halpern (Michael Stuhlbarg), Dra. Banks precisa estabelecer modelos de diálogos e enfrentar seus próprios fantasmas.

A apresentação dos visitantes, a comunicação por logogramas e as cenas inteligentemente orquestradas, fazem com que o filme prenda a atenção. A todo instante você capta referências e tenta encontrar explicações e significados (bem como os personagens do filme).

a-chegada6
Louise precisa enfrentar os métodos militares para aproximar a comunicação. Foto: Sony Pictures

Stanley Kubrick já havia trabalhado brilhantemente o silêncio, as perguntas sem respostas e o espaço para a reflexão (com devido respeito as proporções e sem comparações com A Chegada). Com o passar do filme, é possível notar que ele fala mais sobre os humanos, sobre a maneira debilitada que nos comunicamos e como pequenas divergências e erros de interpretações podem fazer com que os conflitos surjam.

a-chegada3
Se soltando dos métodos catedráticos, Ian Donnelly é peça fundamental para Louise. Foto: Sony Pictures

E para que tudo isso funcione bem, a escolha de Amy Adams parece ter sido a mais adequada. O seu talento é reconhecido, mesmo que por muitas vezes, seus papéis não sejam os mais adequados. Ela trabalha muito bem a construção da personagem, sua coragem, fragilidade e poder de superação. Passa por ela a responsabilidade de ser um dos grandes alicerces do filme.

Denis Villeneuve mostra que não é mais um diretor emergente – já é uma realidade. Enquanto muitos esperam seu desempenho em Blade Runner 2049, ele se mostra muito maduro em A Chegada. Acompanhado de ótimo trabalho de fotografia, com cenas nebulosas e sombria, o diretor consegue criar ótimas sequências e trabalha boas cenas, principalmente em momentos delicados durante as visitas a nave (que facilmente poderiam destoar do resto do filme).

a-chegada2
Personagem de Amy Adams é intensa e dá dinamismo ao filme. Foto: Sony Pictures

O filme tem algumas falhas pontuais, que não apagam seu brilhantismo. Em certos momentos, o excesso de teasers para a conclusão da história, a falta de profundidade de alguns personagens e as movimentações não condizentes com o tamanho e gravidade do momento (principalmente dos militares), acabam irritando. Falhas aceitáveis de um roteiro deste porte.

É curioso que um dos sons mais agoniantes seja o do silêncio. Simon & Garfunkel já cantavam sobre isso na música "The Sound Of Silence", em 1964. Facilmente essa canção poderia elencar algumas das questões tratadas no novo filme do já afirmado diretor Denis Villeneuve. A Chegada transporta o público para questões profundas sobre como a humanidade pode ficar muda ao diferente, sobre como o desconhecido pode chocar e assustar. Os alienígenas poderiam ser substituídos, o contexto poderia ser diferente, mas a condução, ela sim, provavelmente, não mudaria. Abalada com a morte da filha, a Dra. Louise Banks (Amy Adams), especialista em…

Avaliação

Roteiro
Elenco
Direção

Nota

User Rating: 4.7 ( 1 votes)

Sobre Leonardo Caprara

Idealizador e fundador do site, tem profunda paixão pela música e pelo cinema, desbravando os mais diferentes sub-gêneros dentro destes dois maravilhosos nichos e procurando levar o melhor conteúdo para os fiéis leitores do Música e Cinema!

Veja Também!

FANTASTIC BEASTS AND WHERE TO FIND THEM

Animais Fantásticos encanta visualmente e não se prende a Harry Potter

Para quem aguardava o resultado de Animais Fantásticos e Onde Habitam como uma cópia da fórmula …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *