Entrevista com a banda Ozzmosis

Estamos trazendo mais uma entrevista com exclusividade para você nossos leitores, desta vez com uma das melhores bandas cover de Ozzy Osbourne do mundo, a Ozzmosis, que foi formada em 2001 e desde lá (com algumas pausas) vem trazendo o verdadeiro som do pai do heavy metal.

A banda é formada por: Rodrigo Tomé (vocais), Leandro Walczak (guitarra), César Manolio (baixo), Marquinhos (bateria) e Rodrigo Guimarães (teclado).

Quem nos respondeu atenciosamente foi Tomé, que falou sobre a banda, formato dos shows, mercado para bandas covers, dentre outros assuntos.

ozzmosis

Entrevista:

Quando que a banda começou oficialmente?

A banda começou os ensaios nos meses de fevereiro/março de 2001… Começamos eu e o Marquinhos (baterista) a ensaiar músicas com outros integrantes… O primeiro show aconteceu no mês de junho de 2001, entre os dias 12 e 18, não me lembro exatamente. O show foi no extinto Depósito Rock Bar, na Vila Califórnia, divisa entre São Caetano do Sul e São Paulo. Abrimos a noite para o ótimo Van Halen Cover de Santo André. Essa formação da Ozzmosis contava com Tomé (voz), Marquinhos (bateria), Affonso Junior (guitarra), Wellington Carrion (baixo) e Katia Nunes (teclado). Após dois ou três shows, Junior Ribeiro entrou no lugar de Wellington.

A quanto tempo Tomé faz cover de Ozzy Osbourne?

Desde junho de 1998.

Qual a principal dificuldade de ser uma banda cover no Brasil?

Não só no Brasil, como no mundo todo, a dificuldade é ter o seu trabalho bem reconhecido por todos. Fico muito feliz de ver a Ozzmosis e Hand Of Doom (banda na qual faço Black Sabbath anos 70) entre as principais bandas cover do Brasil e do mundo. Pra mim, ver um show da Zoombeatles ou Dios Salve a la Reina ou Sepultura ou Almir Sater tem o mesmo valor!!! Boa música é sempre boa música!!! Não importa se é trabalho autoral ou cover! O que importa é que seja bom!!!

O problema é que alguns contratantes preferem cover, outros, som próprio. Muitos não dão o merecido valor ao trabalho autoral e muitos preferem bandas cover de péssima qualidade. Vai entender…

Qual a frequência de shows?

De dois a oito shows por mês.

Neste tempo de estrada, qual a maior furada que vocês já se meteram?

Sem pensar muito, posso citar duas: uma vez tivemos um show em Minas Gerais (não citarei a cidade) com o Gabriel O Pensador. Ozzmosis, Children Of The Beast e Gabriel O Pensador NUM RODEIO!!!!! Além de várias dificuldades técnicas, o produtor da região sustou o pagamento das bandas de São Paulo…

Uma outra coisa foi um show numa casa no interior de São Paulo (não citarei a cidade) aonde na hora do jantar, o contratante nos trouxe marmitex frias de resto de almoço. Quando chegamos no hotel (DE PÉSSIMA QUALIDADE), o hotel era infestado por baratas!!! Baratas voadoras e que subiam até nas camas…

Durante a passagem o Ozzy pelo Brasil vocês tiveram a oportunidade de conhecer ele, qual a satisfação e a reação dele de ver alguém tão parecido?

Foi tudo muito rápido. Ele parece ser muito simpático, mas a equipe de segurança é quem dita as ordens. A ordem foi: uma foto de uma única câmera para todas as pessoas ali (eu, Leandro Walczak, pessoas da Sony e MTV), um aperto de mão e UM autógrafo em UM ITEM somente.

Na minha vez, falei rapidamente sobre a Ozzmosis, Hand Of Doom e ele respondeu “oh, that’s really nice!”

É dado o espaço merecido para bandas covers na mídia brasileira?

Para as bandas cover o espaço é restrito, porém ele existe. Tivemos o Covernation MTV há 6 ou 7 anos atrás, tivemos o Rocka Rolla, e sempre aparece algum programa, tipo o Raul Gil ou Ronnie Von, por exemplo… Mas são poucas bandas que conseguem esse espaço.

E quando não está nos palcos, o que Tomé o Ozzy brasileiro gosta de fazer?

Trabalhar, trabalhar e trabalhar…

No repertório de vocês, aparecem músicas de todos os discos e também do Black Sabbath?

Do primeiro ao último da carreira solo do Ozzy e também fazemos uns 4 Sabbath.

Vocês pretendem algum dia mudar o estilo da banda e lançar algo próprio?

EU não gostaria, pois isso significaria ter que tocar de domingo em lugares vazios e de graça.

Quais seus planos para esse fim de 2012 e começo de 2013?

Continuar cada vez melhor com a Ozzmosis e Hand Of Doom, sempre renovando o repertório e levando alegria às pessoas.

Qual a expectativa de vocês para a reunião do Black Sabbath?

sem o Bill Ward, não é uma reunião do Sabbath mesmo…

Bem, muito obrigado pela entrevista, agora o espaço é de vocês, deixem um recado para os leitores do Música e Cinema:

Façam sempre o bem, esqueçam as drogas e escutem rock n’ roll!!! Elvis, Roy Orbinson, Little Richard, Beatles, The Who, Stones, Zeppelin, Sabbath, Purple, Hendrix, Ten Years After, Uriah Heep, Wings, os artistas da Motown e por aí vai…

Eu que agradeço 🙂

Um grande abraço aos amigos do Rio Grande do Sul!

Tomé

www.ozzmosis.com.br

www.myspace.com/handofdoomsp

Sobre Leonardo Caprara

Idealizador e fundador do site, tem profunda paixão pela música e pelo cinema, desbravando os mais diferentes sub-gêneros dentro destes dois maravilhosos nichos e procurando levar o melhor conteúdo para os fiéis leitores do Música e Cinema!

Veja Também!

Danilo Gentili, Carlos Villagrán e Fabrícrio Bittar

Filme: Danilo Gentili fala sobre produção, Carlos Villagrán e trilha sonora

Lançado em 2009, o livro “Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola” ganhará sua …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *